Barra do Garças – MT – 24 de maio de 2024
Barra do Garças – MT – 24 de maio de 2024

Juiz mantém procuradora em processo contra Trump se afastar assistente



Um juiz do estado americano da Geórgia determinou nesta
sexta-feira (15) que o processo contra o ex-presidente Donald Trump (2017-2021)
pode continuar se a procuradora encarregada Fani Willis ou o procurador
especial Nathan Wade, com quem ela teve um relacionamento amoroso, desistir do caso.

O juiz do condado de Fulton, Scott McAffee, que preside o
processo contra Trump por supostas tentativas de reverter a vitória de Joe Biden
na Geórgia na eleição de 2020, determinou que a “aparência de conduta inapropriada”
no relacionamento entre os dois membros da procuradoria exige que um dos dois,
Willis ou Wade, que ela nomeou para o julgamento, seja afastado do caso.

A defesa de Trump havia solicitado o afastamento da procuradora.
Willis e Wade sustentam que o relacionamento entre ambos, iniciado após começarem
a trabalhar juntos, acabou em meados de 2023.

“O registro agora estabelecido mostra uma aparência
significativa de [conduta] inapropriada que afeta a estrutura atual da equipe
de acusação”, observou o juiz em seu parecer de 23 páginas, que critica
duramente a procuradora.

Essa aparência, acrescentou McAffee, “deve ser eliminada por
uma seleção da procuradoria por uma de duas opções [ela ou Wade sair]”.

A equipe jurídica de Trump, o candidato republicano para as
eleições presidenciais deste ano, criticou a decisão do juiz, dizendo que nas
audiências que examinaram a conduta de Willis ficou provado que houve trocas
financeiras inadequadas com Wade e que a procuradora tentou retratar o
ex-presidente, os outros réus e seus advogados como racistas em um discurso numa
igreja em Atlanta, ao dizer que a tentativa de retirá-los do processo estaria
relacionada ao fato dela e seu assistente serem negros.

Na decisão, McAfee escreveu que “as evidências demonstraram
que o ganho financeiro resultante do seu relacionamento com Wade não foi um
fator motivador por parte da procuradora para indiciar e processar este caso”.

Em agosto de 2023, Willis denunciou Trump e mais 18 pessoas por
supostas tentativas de manipular o resultado da eleição presidencial de 2020 na
Geórgia.

Trump é réu neste e em outros três processos criminais: o de
suposta responsabilidade pela invasão ao Capitólio, em janeiro de 2021; de que
teria levado documentos confidenciais para sua residência na Flórida após ter
deixado a presidência; e de que teria fraudado registros das suas empresas para
ocultar um pagamento a uma atriz pornô para que ela não revelasse antes da
eleição de 2016 um relacionamento que ambos tiveram dez anos antes.

Nesse último caso, o início do julgamento está marcado para
25 de março, mas ele pode ser adiado porque esta semana a promotoria se disse
disposta a aceitar um prazo de mais 30 dias para análise de documentos relacionados
ao caso.

No caso do Capitólio, a Suprema Corte dos Estados Unidos aceitou analisar o argumento de Trump de que teria imunidade por ser presidente à época. O início do julgamento, marcado a princípio para 4 de março, foi adiado. As argumentações orais no Supremo americano foram marcadas para 22 de abril. (Com Agência EFE)



FONTE: GAZETA DO POVO

Últimas notícias

Gostou? então compartilhe!